terça-feira, 31 de maio de 2011

ONU seleciona jornalista para ministrar curso de gênero, raça e etnia

A ONU Mulheres – Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o
Empoderamento das Mulheres seleciona, até o dia 30 de maio de 2011, profissional
com graduação em Jornalismo para ministrar o Curso de Gênero, Raça e Etnia para
Jornalistas e administrar blog e redes sociais relacionados ao curso. Faça
aqui(http://www.unifem.org.br/sites/700/710/00001757.pdf) o download do termo
de referência com informações sobre a vaga e do formulário Personal History
Formpara candidatura.

A iniciativa está programada para acontecer em oito cidades: Maceió (AL); Manaus
(AM); Fortaleza (CE), Belém (PA), Recife (PE), São Paulo (SP), Rio de Janeiro
(RJ) e Porto Alegre (RS). Cada curso deverá ser realizado pelo período de dois
dias, com uma carga horária total de oito horas. Podem participar da seleção
jornalistas diplomados/as com conhecimento avançado das temáticas gênero, raça e
etnia, por meio da comprovação de experiência profissional ou acadêmica na área,
produção de publicações ou reportagens sobre o tema, ou pela participação em
eventos com foco em gênero, raça e etnia; experiência comprovada em redação
(veículos de comunicação); e disponibilidade para viagens.

O curso será ministrado baseado em plano pedagógico fornecido pela ONU Mulheres,
por meio do Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero, Raça
e Etnia e do Programa Regional de Gênero, Raça, Etnia e Pobreza, e pela FENAJ –
Federação Nacional dos Jornalistas, assim como outros materiais pedagógicos tais
como matérias ilustrativas e vídeos.

Cooperação – ONU Mulheres e FENAJ

O Curso de Gênero, Raça e Etnia para Jornalistas é uma das ações previstas no
Memorando de Entendimento firmado entre a ONU Mulheres e a FENAJ no 34º
Congresso Nacional dos Jornalistas.

São os termos da esfera de cooperação: apoio da ONU Mulheres à realização de
ações da FENAJ para o enfrentamento do racismo, sexismo e etnocentrismo;
especialização de jornalistas nas temáticas de gênero, raça e etnia; incentivo à
criação de instâncias organizativas de gênero e raça nos sindicatos de
jornalistas com a finalidade de implementar políticas de combate ao racismo, ao
sexismo e ao etnocentrismo e promoção da igualdade; realização do censo do
jornalismo brasileiro; adoção da autodeclaração étnicorracial nas fichas
sindicais; apoio às políticas focalistas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!